<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d21633640\x26blogName\x3dPapas+e+bolos\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://papasebolos.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://papasebolos.blogspot.com/\x26vt\x3d-6548262346845114254', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

30 dezembro 2006

01 março 2006

Fusilli com atum

Eu sei que hoje joga a selecção, por isso vais ter que fazer o jantar no intervalo. São 15 minutos, não é? Chega e sobra.

Ingredientes:
  • 2 latas de atum
  • 1 cebola
  • 2 tomates
  • 2 dentes de alho
  • azeitonas
  • azeite
  • pimenta
  • fusilli
Antes de começar o jogo podes arrumar a loiça que está na máquina e deixar a postos os ingrediente e os utensílios necessários para o jantar. E põe a mesa (heheh... a namorada tirana strikes again)!! Depois, no intervalo, picas a cebola para um tacho, juntas-lhe um fiozinho de azeite (muito pouco) e deixas refogar. A seguir juntas o atum escorrido e os tomates, partidos em bocadinhos (podes usar os que estão no frigorífico, dentro da caixa com a tampa azul). Provas, temperas com pimenta e manjericão (se te apetecer), juntas um bocadinho da cerveja que nessa altura já deves ter aberto e deixas apurar durante o tempo que a massa demorar a cozer.

Para a massa, pões água a aquecer, com sal, e mandas os fusilli lá para dentro.

Depois, antes de servir, podemos cortar aquelas azeitonas que temperámos ontem e juntar ao atum. E picar um ou dois dentes de alho, que ficam mesmo assim, crus...
;)

28 fevereiro 2006

Lamb Masala (ou coisa que o valha)

Ok, vou ser muito sincera: todas as minhas tentativas, até hoje, de cozinhar qualquer coisa que se assemelhasse a cozinha indiana tinham sido uma autêntica anedota. Até ter feito esta fantástica descoberta: uns frasquinhos de temperos deliciosos, com consistência semelhante à das pastas de pimentão ou vinha d'alhos, que fazem com que os pratos fiquem com "aquele" sabor exótico meeeeesmo indiano (tão distante dos pós manhosos que se compram no supermercado com misturas de "caril" que, de indiano, só têm o rótulo).

Claro que, se forem uns puristas da cozinha indiana, podem ler a receita que se segue substituindo "pasta tandoori Rajah" por "mistura de água, sal, óleo vegetal (óleo de sementes de colza, óleo de sementes de algodão), chili, coentros, cominhos, lentilhas, alho, gengibre, açafrão-da-Índia, sementes de anis, feno-grego, cravo-da-Índia, canela e folha de louro", mas sejamos realistas: só o trabalho de misturar os ingredientes todos nas proporções certas e as probabilidades de tudo resultar num sabor agradável não são coisas que funcionem a nosso favor!

Melhor: estes frasquinhos também se compram no supermercado, e nem é preciso ir à mouraria para os conseguir! A mim bastou-me o do El Corte Inglès... e o resultado foi mesmo impressionante.

Ingredientes:
  • 400 gr de borrego (limpo de ossos e gorduras) partido aos bocadinhos, como se fosse para jardineira.
  • 1 cebola
  • duas folhas de louro
  • 5 dentes de alho
  • 2 colheres de sopa de azeite
  • 1 colher de chá de "pasta tandoori" Rajah
  • sal
  • 3 tomates maduros
  • pimentão doce
  • um iogurte natural
  • uns raminhos de coentros

Comecei por temperar o borrego, já todo arranjadinho, com sal, pimentão doce, dois dentes de alho picados (se forem pequenos, é melhor uns 3 ou 4) e o iogurte natural. Envolvi tudo muito bem e deixei no frigorífico, tapado, durante 24 horas.
O resto é demasiado simples: um refogado normalíssimo, com a cebola e os alhos bem picados, o azeite, e duas folhitas de louro. Quando a cebola comecou a ficar transparete juntei o borrego, juntamente com a marinada de iogurte. Levantei o lume, deixei cozinhar uns 10 minutos, e depois juntei os tomates, pelados e partidos em bocadinhos pequeninos. Depois de misturar bem, juntei uma colher de chá da pasta tandoori (podiam ter sido duas, porque acabou por ficar suave e eu gosto destes sabores bem intensos), juntei o sal e deixei cozinhar em lume brando mais uns 20 minutos. Para o fim, como o molho estava a desaparecer, juntei meia chávena de água quente, misturei bem e, pouco antes de apagar o lume, juntei os coentros picados.
Acompanhei com arroz basmati.

Nota: se calhar não é suposto usar-se a pasta "tandori" sem ser para fazer tandoori, mas isto ficou tão bom que compensou a provável heresia!

24 fevereiro 2006

Jantar

Hoje temos bifes para o jantar (é tão, tão raro....), por isso comprei uns óptimos, altos, da vazia (certificados, criação biológica... o costume).

Só tens de:
  • tirar os bifes do frigorífico
  • salpicá-los com sal
  • esmagar dois ou três dentes de alho e temperar os bifes com eles
  • esmaga, no almofariz, uns bagos de pimenta verde e tempera os bifes com eles. Nota (1): o almofariz é aquela tacinha branca e respectivo acessório de esmagar a que tu deitas sempre olhares descofiados. Nota (2): bastam uns 6 ou 7 bagos de pimenta, não precisa de esgotar o stock de pimentas.
  • descasca as batatas e corta-as às rodelas, que eu sei que é como tu gostas mais ;)
  • deixa-as num tupperware com água, para não escurecerem.
Quando eu chegar tratamos do resto!

23 fevereiro 2006

Queijos, vinhos e enchidos

Decidi aproveitar as "feiras" que agora estão nos supermercados para dar largas à minha gula por queijos, vinhos e enchidos. Abasteci a dispensa com um monte de vinhos que adoro, não comprei tantos queijos como gostaria - senão estragam-se! - e enchidos para fazer um monte de refeições diferentes!

Maranhos à Beirã
Trata-se de um enchido da zona da Beira Baixa, que é feito com a melhor carne do cabrito ou da cabra e/ou o melhor do porco - presunto e chouriço magro - a que se junta arroz e hortelã. Faz um prato fantástico e surpreende por não ter um sabor tão carregado e intenso como a generalidade dos enchidos, e por ser, ao mesmo tempo, tão rico em aromas diferentes (onde a hortelã tem um papel fundamental).

Os maranhos compram-se já feitos, tanto crus como cozidos. Sempre comprei a versão crua, por isso não faço ideia se cozidos também serão bons (mas não me cheira...).
Aqueço água numa panela grande e deito lá os maranhos. Demoram cerca de 45 minutos a cozer. Depois tiro-os da água, deixo arrefecer e corto-os às fatias (com cerca de 2 cm de espessura). Coloco as fatias numa frigideira anti-aderente e deixo-as tostar um pouco.

Costumo acompanhar com batatas salteadas e um legume cozido ou salteado. Desta vez optei por nabiças: dei-lhes só uma fervura em água com um pouco de sal (uns 5 minutos, não mais), escorri-as bem e salteei-as com um pouco de azeite, uma cabeça de alho picada e pimenta.

Image hosting by Photobucket

Os maranhos só têm, quanto a mim, um defeito: são feios que dói. A verdade é que o tal enchido não prima pela beleza, por isso não o fotografei (mas, se quiserem mesmo ver o aspecto dele, está aqui um link que podem seguir). Para já ficam só aqui as fotos das nabiças e do queijinho que fui provando enquanto cozinhava, devidamente acompanhado de um Fundação Eugénio de Almeida 2004, tinto.

Image hosting by Photobucket

20 fevereiro 2006

Rondelli de espinafres

Cheguei a casa tarde, e ainda me aguardava uma emocionante (argh!) reunião de condóminos.
Tinha de ser rápida, por isso os rondelli seriam uma excelente solução:

Ingredientes (para duas pessoas):

  • lasanha fresca (duas folhas)
  • 200gr de espinafres
  • 1 lata pequena de cogumelos inteiros
  • 1 tomate pequeno e bem maduro
  • 4 fatias de presunto (largas) ou fiambre
  • 1/2 requeijão
  • queijo mozarella
  • natas
Peguei nos espinafres congelados e mergulhei-os em água a ferver, apenas o tempo suficiente para descongelarem. Entretanto, pus as folhas de lasanha em cima da tábua da cozinha, cobri-as com fatias muito finas de fiambre (já não tinha presunto, que deve ficar muito melhor e é mais saudável), cobri-as com o requeijão esfarelado e com os espinafres, entretanto escorridos. Acho que ficam muito melhores assim, sem chegar a cozê-los. Quando estão descongelados, limito-me a passá-los por água fria e a espremê-los bem.
Temperei com pimenta e muito pouco sal.
A seguir, enrolei as folhas de lasanha, cortei cada rolo em 3 partes e coloquei tudo numa travessa de ir ao forno (neste caso, de micro-ondas, porque a pressa era mesmo muita).
Escorri os cogumelos e mandei-os também para dentro da travessa.

Cobri os rondelli com meio pacote de natas (100ml) e queijo mozarella. A seguir, cortei o tomate em pedacinhos muito pequenos e também coloquei por cima dos rondelli. Voltei a temperar com alguma pimenta e umas folhinhas de manjericão.

Depois de 10 minutos de micro-ondas, com grill, ficou perfeito. Tão perfeito que acabei por ficar a jantar nas calmas e por me baldar à reunião de condóminos (shame on me!).

O que considero mais interessante neste prato de massa é o facto de os sabores não se chegarem a misturar, como na lasanha. Cada garfada sabe a tomate, queijo, massa, pimenta, espinafres e fiambre (ou presunto), e não a um sabor homogéneo que resulta de tudo isso - que também pode ser excelente, se se conhecer uma boa receita de lasanha!

08 fevereiro 2006

Jantar logo à noite - para o Tiago

Hoje sou capaz de chegar tarde a casa, por isso vais ter de te desenvencilhar sozinho na cozinha. Há sopa feita, mas como é um creme de legumes e tu não costumas gostar, podes experimentar isto:

Beringelas recheadas
Ingredientes (para duas pessoas):

  • 1 beringela
  • 1 cebola pequena
  • azeite
  • 1 lata de atum em conserva
  • 1 tomate pequeno
  • 1 dl de natas
  • sal
  • pimenta
  • queijo parmesão ralado

Tira a beringela do frigorífico (está na prateleira abaixo das nabiças), lavas, cortas ao meio no sentido do comprimento, salpicas com bastante sal e deixas a escorrer, com a parte cortada voltada para baixo, durante uns 20 minutitos. É melhor pores papel absorvente por baixo.

Depois lavas a beringela, passas bem por água e secas. Tenta não usar o pano da loiça para essa operação, senão fica sujo. Com uma faca afiada, escavas a polpa da beringela, deixando uma borda de cerca de 1 cm a toda a volta. Podes ir fazendo isso aos poucos, não destruas é a "casca".

A seguir cortas a polpa que tiraste à beringela em tirinhas e fritas em azeite quente. Depois juntas a cebola, bem picadinha, o atum (escorre-o bem primeiro!) e o tomate também picado. Deixas refogar um bocadinho, teperas com sal e pimenta, e depois recheias as meias beringelas com o que acabaste de fazer.

Põe as beringelas num tabuleiro que possa ir ao forno (pode ser um daqueles brancos de loiça, do IKEA), rega-as com um fio de natas e polvilha com o parmesão.

Leva a gratinar no forno até ficarem douradas (temperatura 200º, uns 20 minutos).


Ou então come só a sopa...

06 fevereiro 2006

Conforme prometida...

... a sopa de feijão. Perfeita para quando se tem pouco tempo e se quer fazer uma refeição confortável.

Ingredientes
  • uma cebola grande
  • uma couve penca ou meio repolho
  • feijão catarino cozido (e um pouco da respectiva água) ou uma lata de feijão manteiga (das pequenas)
  • 3 dentes de alho grandes
  • sal q.b.
  • azeite

Piquei a cebola não muito miúda, porque gosto de encontrá-la na sopa. Juntei um pouco de azeite e levei a alourar. Enquanto o lume brando tratava da cebola, juntei os dentes de alho, bem picadinhos. Não convém deixá-los muito tempo no lume, só mesmo o suficiente para a cebola ficar como se vê na fotografia.
Image hosting by Photobucket

Nessa altura juntei a lata de feijão, mexi, temperei com um pouco de sal e juntei água suficiente para cobrir. Claro que se tivesse usado feijão cozido em casa a sopa teria ficado mais saborosa, mas o feijão tem de ficar de molho uma data de tempo e ficar a cozer outro tanto, por isso não havia mesmo hipótese.
Enquanto deixei os ingredientes a absorverem o sabor uns dos outros, lavei e arranjei a couve, partindo-a em bocados pequenos, e juntei-a ao "projecto de sopa" que estava na panela.
Image hosting by PhotobucketMais água (a gosto), deixei cozer um bocadinho, rectifiquei os temperos e reguei com um fio de azeite, já mesmo no fim.

02 fevereiro 2006

Os ingredientes

Ontem fiz a sopa preferida do meu pai: sopa de feijão.
Antes da receita e das fotos do resultado, apresento-vos os ingredientes:

Image hosting by Photobucket
Eram daquelas que faziam chorar! Mesmo, mesmo bravas... eu acho que estas são perfeitas para sopas (ou então sou só pouco sensível)!

Image hosting by Photobucket
Costumo preferir a nossa "penca", ou couve portuguesa, mas esta também é boa. Gosto sobretudo das folhas mais escuras.

Image hosting by Photobucket
Patrocinados pela avó do meu mais-que-tudo, que os planta e são maravilhosos! Esqueçam o frasquinho de piri-piri fabricado pelo meu pai, que, apesar de ter entrado na fotografia, não entra nesta receita de sopa!

(todas as fotos de Heidi)

31 janeiro 2006

Os acompanhantes

Acabei por me distrair com a maruca e esqueci-me de referir o que fiz para a acompanhar. A minha ideia era acompanhar a maruca só com legumes, mas acabei por ceder aos olhares esfomeados que me foram lançados (que acabaram por revelar "mais olhos que barriga") e fiz também umas batatinhas:

Ervilhas estufadas
(na verdade nem sei se são bem estufadas ou cozidas)
Ingredientes
Ervilhas
Louro
Uma cebola
Sal
Um fio de azeite (opcional)

Nada mais simples: põe-se um tacho ao lume com água a ferver e juntam-se todos os ingredientes. É só esperar que as ervilhas fiquem tenras, escorrem-se e estão prontas!

Batatas salteadas
Ingredientes
Batatas
Alho (uns 2 dentes de alho por pessoa)
Pimenta
Azeite

Também simples (embora mais demorado): cozem-se as batatas com casca. Quando estiverem quase boas (antes de se começarem a defazer!), tiram-se do lume, passam-se por água fria e tira-se-lhes a pele. Podem não passar por água fria, mas é bom que tenham dedos resistentes ao calor...
Cortam-se em rodelas com +/- 1 cm de altura e colocam-se numa frigideira com um pouco de azeite. Dois minutos depois picam-se os alhos e tempera-se de sal e pimenta moída na hora.

30 janeiro 2006

Num dia frio, um prato bem quente

Foi este o nosso jantarinho de ontem. Já sem neve lá fora, o tempo continuava frio, e por isso apetecia-me um prato de forno. Sempre é mais um aquecedor...

A criação deste blog culinário teve vários objectivos: juntar duas paixões - a cozinha e a fotografia - e ajudar a minha outra paixão a cozinhar para mim quando fico a trabalhar até mais tarde! Não pensei, contudo, que a parte das fotografias fosse tão complicada. Tudo funciona mal, pois é precisamente na altura em que a comida está quentinha e em que nós estamos cheios de fome que tem de se ir buscar a máquina e tentar apanhar o melhor ângulo... a melhor luz... aaargh!!

Filetes de maruca com banana

Image hosting by Photobucket

Ingredientes:
4 filetes de maruca
1 banana
sumo de uma laranja
pimenta, gengibre e sal para temperar
1/2 colher de sopa de margarina
1 colher de sopa de farinha
2,5 dl de leite
noz moscada
óleo

Preparação
Temperam-se os filetes de maruca com sal, pimenta e o sumo da laranja e deixam-se descongelar.
Depois, passam-se os filetes por farinha, sacudindo bem o excesso e alouram-se numa frigideira com um pouco de óleo. Depois de bem escorridos (com a ajuda de papel absorvente), colocam-se num tabuleiro de forno.
Num tacho pequeno, derrete-se um pouco de margarina, junta-se a farinha, rega-se com o leite e deixa-se engrossar um pouco, mexendo sempre. Junta-se também o sumo onde ficaram a marinar os filetes e depois tempera-se com sal, pimenta e noz moscada - tudo moído na hora! Regam-se os filetes com o molho e, por cima, coloca-se a banana, cortada no sentido do comprimento em fatias finas (eu consegui cortar em seis fatias). Polvilha-se com pão ralado e leva-se a corar no forno.

29 janeiro 2006

Neve!

Está a nevar em Lisboa, pela primeira vez desde que me lembro...
Por isso, para começar, nada como um chá quentinho com torradas!

Image hosting by Photobucket
Fotografia de Heidi

Powered by Blogger